Este é um subsite da Blogolândia do Espaço Internético. Explore este espaço!
Este site não tem nenhum compromisso com esse "Star Wars-Disney" que virá. Para nós continua valendo aquilo que foi dito inúmeras vezes por George Lucas ANTES dele ser comprado pela empresa de Mickey e Donald. Para nós a saga completa foi lançada em blu-ray e termina no episódio 6.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

AINDA HÁ BONDADE NELE!

Padmé e Luke estavam certos ao dizer isso:
"Ainda há bondade nele!"

No fim da vida, ele sacrifica-se novamente por amor, dessa vez por amor ao filho. E nesse caso ele não sacrifica apenas sua boa índole e seu bom coração como fez antes. Ele sacrifica sua própria vida.

Ele começa a dar sinais de que a bondade ainda existia em seu coração logo ao saber da existência de seu filho. Ao ouvir essa surpreendente revelação do Imperador, que demonstra clara intenção de matar aquele que vê como seu perigoso novo inimigo, Vader diz: “Ele é apenas um garoto e Obi-Wan não pode mais ajudá-lo”. O Imperador insiste que o garoto é perigoso e que não pode tornar-se um Jedi. Então Vader apresenta uma alternativa para que o garoto não seja morto: trazê-lo para o lado negro. Uma clara tentativa de proteger o filho.

Durante o primeiro duelo cara-a-cara que trava com seu filho (porque antes eles haviam se enfrentado apenas no ar, quando Vader perseguiu a nave de Luke sem saber ainda quem ele era), Darth Vader testa as habilidades de Luke e chega a cortar-lhe a mão, mas quando tem uma real e fácil oportunidade de matá-lo não o faz. Pelo contrário: desliga seu sabre de luz, revela ao jovem que é seu pai e calmamente tenta convencê-lo a juntar-se a ele.

Quando Luke foge e em seguida a nave em que ele se encontra após ser resgatado por Lando e Leia entra na velocidade da luz, percebe-se Vader visivelmente triste e perdido. “Ele era o C-3P0 desmontado” (como disse George Lucas a respeito de como Vader sentia-se naquele momento).

Alguma coisa nele havia mudado e aqui está a prova: o Almirante Peat acabara de perder de vista a nave em que estava Luke e já havia falhado com Vader outras vezes. Peat estava avisado de que se falhasse novamente não teria outra chance. Naquele momento o almirante considera sua morte como certa, mas Vader passa por ele rapidamente, sem dar-lhe a menor importância; afinal, era seu filho que havia ido para longe e isso o aborreceu profundamente, fazendo-o ver o quanto era banal ficar matando seus subalternos a torto e a direito.

Desde então, não se vê mais Darth Vader fazendo maldades, pelo menos não de forma direta como enforcar e/ou matar seus subordinados, torturar pessoas... Encontrar Luke e trazê-lo para seu lado era agora sua nova meta de vida.

Um ano depois, finalmente Vader consegue encontrar o filho, que acaba entregando-se a ele. Luke (assim com Padmé antes de morrer) percebera a bondade que ainda havia no pai e sentiu que poderia devolvê-lo ao lado iluminado da Força.

Ao dizer “É muito tarde para mim, filho” (voltar para o lado da luz), ele dá a entender que se não fosse tão tarde, até poderia voltar. Isso mostra que no fundo Darth Vader reconhece que talvez não tenha feito a escolha certa, e que para o seu filho ainda havia tempo. Porém, ele não diz mais nada pois sabe que se mandasse Luke fugir naquele momento, teria que enfrentar a ira do Imperador, que facilmente encontraria o rapaz e o mataria. E isso fica ainda mais claro quando ele diz: “Você não conhece o poder do lado negro, eu tenho que obedecer meu mestre”. Ou, trocando em miúdos: “O Imperador é mais poderoso que eu e se eu não obedeço ele acaba comigo!” Vader sabia que ninguém em toda galáxia tinha mais controle sobre o lado negro do que Darth Sidious. Então, temia desobedecê-lo até que alguém pudesse ajudá-lo a derrotá-lo (no caso, Luke).

Ao levar Luke ao Imperador, vemos mais uma demonstração da mudança que já ocorria no íntimo do “lord negro dos Sith”(como Vader é chamado): ele anteriormente havia proposto a Luke que eles derrotassem o Imperador e governassem a galáxia juntos como pai e filho. Vader queria que Luke matasse o Imperador. Mas ao mesmo tempo estava confuso. No fundo não queria que o filho abraçasse o lado negro. Tanto é que no momento em que o Imperador Darth Sidious consegue fazer o ódio de Luke vir à tona e este pega seu sabre de luz para matá-lo com um golpe rápido e certeiro, Vader ainda mais rápido, o impede bloqueando o golpe com seu sabre, salvando Luke de ir para o lado negro. E assim eles iniciam seu segundo duelo de sabres; porém desta vez com Luke sabendo que Vader é seu pai.

Por que Vader impede Luke de matar o Imperador? Ora, Vader ao propor a Darth Sidious que trouxesse seu filho para o lado deles já conhecia há muito tempo a regra que existe entre os Siths: sempre existiram apenas dois Siths no Universo, dois “darths”. Nem mais e nem menos, sendo um mestre e o outro aprendiz. Vemos que ele mostra em seu primeiro diálogo com Luke que tinha a intenção de matar Sidious para tomar o lugar dele como mestre tendo Luke a seu lado, como seu aprendiz. Vader sabia que ou o Imperador ou ele próprio teriam que morrer. Ele também sabia que Palpatine queria matá-lo e colocar Luke em seu lugar. Portanto, se Luke matasse Sidious naquele momento, seria ótimo para Vader. Mas... ele impediu que Luke fizesse isso. Para que? Obviamente para proteger o Imperador é que não foi! Num impulso, o lado paterno falou mais alto e Vader fez isso para impedir que Luke fosse para o lado sombrio como aconteceria se ele conseguisse matar o Imperador, e ao mesmo tempo impedir que o filho fosse morto se o malvado conseguisse se defender do golpe de Luke a tempo. O que está claro é que Vader estava em um conflito terrível: queria proteger a vida do filho, queria ter o filho ao seu lado pra juntos governarem a galáxia mas no fundo não queria que Luke repetisse sua sina indo para o lado do mal.

Por fim, Vader vê seu filho pedindo por seu socorro no chão, sendo atacado pelos raios que saem das mãos de Darth Sidious. Vader naquele momento sabe que não há muito a fazer. Ele sempre fora extremamente sensível àqueles raios e não poderia detê-los. Este era seu ponto fraco. Além disso, estava sem uma das mãos, que fora arrancada por um golpe de Luke durante o último duelo. Também perdera seu sabre de luz. Mas ele percebe que Luke, embora bastante resistente, iria mesmo acabar morrendo. Mais uma vez Vader deixa o amor pelo filho falar mais alto e libera a bondade que sempre existiu dentro de seu coração (embora adormecida) e reunindo suas forças, agarra com sua mão restante o velho Imperador sem dar-lhe tempo de reação, e o joga lá embaixo no reator, que explode fazendo em pedaços o mestre do mal.

Vader é fortemente atingido tanto pelos raios do Imperador como pelos efeitos da explosão do reator e isso danifica o seu sistema de suporte respiratório; conseqüência com a qual ele sabia que teria que arcar ao decidir salvar seu filho. Sua máscara fica danificada e sem ela funcionar, Vader apresenta a respiração asmática de seus pulmões fracos e lesados pelo incêndio ocorrido há mais de 20 anos. Ainda assim, consegue caminhar com o apoio de Luke até o hangar onde está sua nave, mas cai e percebe que não irá sobreviver até chegar a um hospital.

Porém ainda há tempo para mais um gesto de amor, a derradeira demonstração de que a bondade de fato não o abandonara: após ter a máscara retirada a seu pedido por Luke, ele manda que seu filho se salve e o deixe ali já que ele iria mesmo morrer (o que Luke, obviamente não obedece).

Nenhum comentário:

Postar um comentário